O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu, na manhã desta quinta-feira, um habeas corpus em favor do DJ Rennan da Penha. Absolvido em primeira instância e condenado por associação para o tráfico em segunda instância, o jovem está preso desde abril no presídio Bangu 9, no Complexo de Gericinó, Zona Oeste do Rio.

pedido de soltura foi protocolado pela defesa há 10 dias, logo após o Supremo Tribunal Federal (STF) mudar em julgamento o entendimento sobre a prisão após a condenação em segunda instância. Por 6 votos a 5, o tribunal decidiu que o réu só pode ser preso após o processo transitar em julgado, ou seja, depois de esgotados todos os recursos. Na ocasião, a namorada do funkeiro comemorou:
— Estou muito feliz. É um alívio. Agora é esperar ele ser solto — disse Lorenna Vieira. 


Rennan da Penha havia sido absolvido na primeira instância por falta de provas. Em abril, a Ordem dos Advogados do Brasil do Rio (OAB-RJ) questionou a prisão e afirmou que a condenação seria uma tentativa de criminalizar o funk. Em agosto, a primeira turma do STF negou um pedido de habeas corpus.
Ao EXTRA, horas antes da decisão, o advogado do DJ, Allan Caetano, já havia antecipado que o habeas corpus poderia ser concedido a qualquer momento. No mês passado, Rennan da Penha ganhou o Prêmio Multishow de Canção do Ano por "Hoje Eu Vou Parar na Gaiola" e o de Produtor do Ano, decidido previamente pela Academia Multishow.
Rennan também foi indicado ao Grammy Latino com o videoclipe “Me Solta”, de Nego do Borel, do qual participou da produção. Ele é considerado um dos fundadores do movimento 150 bpm, de batidas mais aceleradas, que virou febre pelo país e deu novo fôlego ao funk carioca.

Do. Extra

Post a Comment

Adicione sua mensagem a todos os comentários aqui!